Tour: Van Aert vence 11ª etapa, com escalada dupla ao Ventoux

em

O belga Wout van Aert (Jumbo-Visma) venceu nesta quarta-feira (7 de julho) a 11ª etapa do Tour de France, uma das mais esperadas, por causa da subida dupla inédita ao temido Mont Ventoux. Um dia depois de ficar em 2º no sprint disputado por Mark Cavendish (Deceuninck-QuickStep), na 10ª etapa, Van Aert mostrou sua versatilidade ao conquistar vitória solo na dura jornada de 198,9 km, de Sorgues a Malaucene, ao cruzar com vantagem de 1min41s.

A dupla da Trek Segafredo Kenny Elissonde e Bauke Mollema ficou em 2 e 3º, respectivamente.

“Estou sem palavras. Não pensei em vencer esta etapa vindo para o Tour de France. Só comecei a acreditar nisso ontem: que, se eu escapasse, poderia ter uma chance de vitória. Mont Ventoux é uma das escaladas mais icônicas do mundo do ciclismo. Essa é a melhor vitória da minha carreira. Foi muito difícil, emocionalmente, chegar a este Tour de France em um nível adequado. Estou muito orgulhoso do que conquistei aqui”, comemorou Van Aert, de 26 anos, que venceu uma etapa do Tour pela quarta vez (duas etapas em 2019 e uma em 2020) e é tricampeão mundial de ciclocross.

O camisa amarela Tadej Pogacar (UAE Emirates) foi o 4º, depois de mostrar pela primeira vez que não é imbatível. O esloveno deu sinais de cansaço na segunda subida ao Ventoux, mas reagiu no final. Pogacar continua na liderança geral, agora com Rigoberto Uran (EF Education-Nippo) na 2ª colocação, depois que Ben O’Connor (AG2R Citroën) ficou para trás na subida. O’Connor caiu para o 5º lugar, atrás de Jonas Vingegaard (Jumbo-Visma) e Richard Carapaz (Ineos Grenadiers), todos na faixa dos 5 minutos atrás do líder.

O campeão belga Van Aert fez uma etapa impecável e, na segunda subida do “Gigante da Provença”, na rota tradicional de Bédoin, atacou e escapou do grupo onde estavam o campeão mundial Julian Alaphilippe (Deceuninck-QuickStep) e a dupla da Trek Segafredo de Bauke Mollema e Kenny Elissonde. Apesar de ser significativamente mais pesado do que os especialistas em escalada, Van Aert manteve um forte ritmo na subida e manteve a ponta na descida final de 20 km até a meta em Malaucène.

Depois que a Ineos Grenadiers reduziu o grupo do camisa amarela, Pogacar foi alcançar Vingegaard, que tinha atacado. Quando o dinamarquês acelerou o ritmo perto do cume, o esloveno perdeu o contato e se juntou a Carapaz e Urán na descida. Vingegaard não conseguiu manter a vantagem e foi alcançado pelo trio no trecho final.

O ritmo foi muito forte durante toda a segunda subida ao Monte Ventoux. Nos quilômetros finais, Jonas Vingegaard atacou e eu simplesmente não pude segui-lo. Foi muito e eu explodi um pouco. Juntei forças com Urán e Carapaz na descida e conseguimos salvar o dia de todos. Quando Vingegaard me largou, eu sabia que tinha que manter a calma e definir meu próprio ritmo. Estávamos perto do cume e eu sabia que a descida era uma boa oportunidade de trazê-lo de volta. No final, foi um bom dia para mim. Pelo que vimos este ano, já sabemos que Jonas Vingegaard pode ser um dos melhores escaladores desta época. Não estou surpreso com o que ele fez hoje: ele é um super ciclista”, disse Pogacar.

A etapa começou com 164 no pelotão. Alaphilippe foi o primeiro a entrar em ação. No Km 25, o campeão mundial e Nairo Quintana (Arkea-Samsic), líder da classificação de montanha, escaparam.

Tony Martin (Jumbo-Visma) caiu e abandonou a disputa, em mais um duro golpe para a equipe.

Alaphilippe chegou ao Côte de Fontaine-du-Vaucluse (cat. 4, km 32) sozinho na ponta, mas foi alcançado no Km 42 depois de passar primeiro no sprint intermediário. Dan Martin (Israel-Start Up-Nation), Anthony Perez (Cofidis) e Pierre Rolland (B & B-KTM) o alcançaram e, atrás deles, um grupo se formou, com Van Aert, Mollema e Elissonde, Vegard Stake Laengen (UAE Emirates), Julian Bernard (Trek-Segafredo), Nils Politt (Bora-Hansgrohe), Xandro Meurisee, Kristian Sbaragli (Alpecin-Fenix ), Luke Durbridge (BikeExchange), Quentin Pacher (B&B Hotels-KTM), Greg Van Avermaet, Benoît Cosnefroy (Ag2r-Citröen), Pierre-Luc Périchon (Cofidis).

No sopé do Mont Ventoux, os quatro da ponta foram alcançados pelo grupo, a 99 km da meta. A 12 km do topo, Alaphilippe, Durbridge, van Aert, Meurisse, Bernard, Elissonde e Perez aceleraram. Mollema se aproximou faltando 1km para chegar ao cume. Alaphilippe faturou os pontos KOM.

Bernard acelerou o ritmo quando o grupo da frente voltou para o Mont Ventoux, abrindo caminho para Elissonde para atacar e seguir sozinho com 36 km da chegada e 14 km ainda para escalar. Van Aert encontrou o francês dois quilômetros adiante e escapou sozinho.

TOP 10 DA ETAPA 1
1 Wout Van Aert (Bel) Jumbo-Visma 5:17:43
2 Kenny Elissonde (Fra) Trek-Segafredo 0:01:14
3 Bauke Mollema (Hol) Trek-Segafredo
4 Tadej Pogacar (Slo) UAE Team Emirates 0:01:38
5 Rigoberto Uran (Col) EF Education-Nippo
6 Richard Carapaz (Equa) Ineos Grenadiers
7 Jonas Vingegaard (Din) Jumbo-Visma
8 Alexey Lutsenko (Kaz) Astana-Premier Tech 0:01:56
9 Wilco Kelderman (Hol) Bora-Hansgrohe
10 Enric Mas Nicolau (Esp) Movistar Team 0:03:02

TOP 10 DA CLASSIFICAÇÃO GERAL
1 Tadej Pogacar (Slo) UAE Team Emirates 43:44:38
2 Rigoberto Uran (Col) EF Education-Nippo 0:05:18
3 Jonas Vingegaard (Din) Jumbo-Visma 0:05:32
4 Richard Carapaz (Equa) Ineos Grenadiers 0:05:33
5 Ben O’Connor (Aus) AG2R Citroën Team 0:05:58
6 Wilco Kelderman (Hol) Bora-Hansgrohe 0:06:16
7 Alexey Lutsenko (Kaz) Astana-Premier Tech 0:06:30
8 Enric Mas Nicolau (Esp) Movistar Team 0:07:11
9 Guillaume Martin (Fra) Cofidis 0:09:29
10 Pello Bilbao Lopez De Armentia (Esp) Bahrain Victorious m.t.

AS CAMISAS
Camisa amarela – classificação geral – Tadej Pogacar (UAE Emirates)
Camisa verde – classificação por pontos – Mark Cavendish (Deceuninck-QuickStep)
Camisa de bolinhas vermelhas – classificação de montanha – Nairo Quintana (Arkea-Samsic)
Camisa branca – classificação de melhor jovem – Tadej Pogacar (UAE Emirates)
Ciclista mais combativo da etapa – Kenny Elissonde (Trek-Segafredo)

Próxima etapa
A 12ª etapa, com 159,4 km, entre St-Paul-Trois e Chateaux Nimes, será mais uma vez para os velocistas. O percurso por Ardèche pode ter fortes ventos nas estradas abertas.

Do Bikemagazine
Fotos de divulgação/ASO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s